English German Spain Italian Portuguese Japanese

Nesta Copa do Mundo, torça e comemore, mas tome muito cuidado com a audição!

 
Imagem: www.freepik.es

A Copa do Mundo vem aí! O país inteiro vai entrar no clima da festa, e como sempre, vai ter muito barulho. Imagine os gritos da torcida, música, batuques, caixa de som, TVs em volume alto, bombas, rojões, apitos e cornetas! Tome cuidado. O excesso de barulho pode trazer consequências irreversíveis para a audição.

Medições na intensidade sonora feitas pela PROTESTE (Associação Brasileira de Defesa do Consumidor) em apetrechos barulhentos durante a Copa 2014 e, em parceria com a Sociedade Brasileira de Otologia (SBO), mostraram um resultado alarmante. Das 31 cornetas, buzinas e apitos testados, somente nove registraram som abaixo de 120 decibéis, enquanto o limite de ruído seguro para a saúde auditiva é de 85 decibéis.

“E, se juntarmos o som desses instrumentos com os gritos dos torcedores e o alto volume da televisão durante as partidas de futebol, o resultado é muito perigoso para os ouvidos. O barulho em excesso pode causar zumbido, tontura e até perda auditiva, que, em alguns casos, pode até ser definitiva, dependendo da intensidade e tempo que a pessoa ficou exposta ao som, sendo ele apresentado de forma súbita ou constante”, explica a fonoaudióloga Isabela Papera, da Telex Soluções Auditivas.

A típica brincadeira de tocar corneta, apitos e buzinas próximo ao ouvido de outra pessoa pode ser fatal para a saúde auditiva. De acordo com o teste da PROTESTE, a Mega Buzina, produto muito utilizado durante jogos e comemorações, emite um som de 129 decibéis, intensidade sonora que se aproxima a de uma arma de fogo e superior até a de um show de rock.

“Aconselho a não usar esse tipo de instrumento, pois em um ambiente com muita gente, facilmente o som estridente vai estar próximo do ouvido de outras pessoas. Esse barulho súbito pode causar, de imediato, a sensação de ouvido tampado, tontura, zumbido e dificuldades para ouvir. Sons elevados podem causar danos irreversíveis à audição porque a medida em que as células auditivas morrem elas não são regeneradas e a dificuldade auditiva é cada vez maior”, adverte a fonoaudióloga da Telex.

A perda auditiva é cumulativa. Dependendo da frequência, do tempo de exposição ao barulho e da predisposição genética, o indivíduo pode sofrer danos auditivos cada vez mais severos, de forma contínua e que pode ser agravada, ao longo da vida.

Mas não dá para bancar o chato da torcida, não é mesmo? É possível utilizar alguns desses apetrechos sonoros, ir para bares e festas cheios de gente, reunir o pessoal na sala de casa e comemorar. Mas sempre com cautela e de maneira consciente. Se a opção for reunir os amigos em casa, controle o volume da televisão e, nos intervalos do jogo, deixe-a no mudo. Se for preciso, por exemplo, gritar para conversar uns com os outros, é hora de abaixar a TV. Fica a dica. Já se a comemoração for em bares e festas, onde não se é possível controlar a intensidade do barulho, evite ficar próximo a caixas de som e de pessoas com instrumentos barulhentos.

Agora, se você também quiser animar a festa com apetrechos sonoros, lembre-se de que buzinas e cornetas devem ser apontadas para cima. Jamais toque esses instrumentos perto ou diretamente no ouvido de uma pessoa. E se você for soltar fogos ou rojões, que também seja longe de pessoas e em lugares abertos. Nunca em locais fechados. Além de perigoso, o forte ruído dos rojões pode causar perda auditiva irreversível em você e em seus amigos.